Ato falho? | Ministro defende Lava Jato, mas acaba dizendo que Moro e Deltan são criminosos e fofoqueiros! Veja...

É muito difícil defender a operação criminosa e seus personagens.

Categoria: MOROGATE | Em tom de perceptível desespero, o ministro do STF Luís Roberto Barroso tentou minimizar as mensagens vazadas da Lava Jato que vêm sendo publicados pelo The Intercept Brasil, Folha e Veja. Durante palestra em São José dos Campos, o ministro disse que o material seria "fofocada de criminosos", embora, contraditoriamente, reconheça que há também "fatos relevantes" nas conversas.

Ora, se o próprio defensor da Lava Jato diz que o material divulgado é "fofocada de criminosos", isto significa que ele ministro — sem querer — também concorda que Moro e Deltan, principais protagonistas nos diálogos vazados, são dois criminosos? E, além disso, dois fofoqueiros?

A fala indica que sim. A fonte do The Intercept e os "hackers" de Araraquara somente cumpriram o papel de entregar o material para divulgação. Eles não produziram "fofocas" ou "fatos relevantes", algo citado até pelo próprio ministro. Continua, após o anúncio.

Barroso, então, cometeu um ato falho e condenou a quem queria defender? Ou seja, reconheceu que a Lava Jato, Moro e Dallagnol são peças de uma armação criminosa criada para prejudicar o País em nome de um suposto combate à corrupção?

É, de fato não é fácil defender uma operação criminosa e seus principais protagonistas.

Mais recentes: