$$$ | Ministro diz que já tem 330 deputados para cortar aposentadoria dos trabalhadores! Veja...

Segundo grande mídia especulou, cada deputado que aprovou o texto-base da reforma na Comissão Especial ganhou R$ 10 milhões. E no plenário, por quanto sairá a fatura? Foto: Câmara dos Deputados.
Segundo grande mídia especulou, cada deputado que aprovou o texto-base da reforma na Comissão Especial ganhou R$ 10 milhões. E no plenário, por quanto sairá a fatura? Foto: Câmara dos Deputados.

Reforma na prática impede que a maioria dos trabalhadores consiga se aposentar. Professores, pensionistas e trabalhadores rurais estão entre os mais prejudicados.

Categoria: Economia | Segundo matéria de hoje (7) de O Globo, o ministro da Casa Civil Onyx Lorenzoni disse que Bolsonaro tem 330 votos favoráveis à reforma da Previdência na Câmara dos Deputados. Para aprovar o projeto em plenário, é preciso que 308 parlamentares digam sim à medida. "Há" 22 a mais, portanto.

O texto-base da reforma já foi aprovado na Comissão Especial da Câmara no último dia 4, quinta-feira. Segundo se especulou por setores da grande mídia, cada deputado que votou contra a aposentadoria dos trabalhadores chegou ganhar R$ 10 milhões. No plenário, por quanto sairá a fatura? Continua, após anúncio.

Publicidade

Prejuízos

Se a votação do dia 4 for confirmada em plenário, além da idade mínima de 65 anos para homens e 62 para mulheres, pensionistas perdem 40% dos seus benefícios. Nos casos em que, por exemplo, uma viúva acumule pensão e aposentadoria, ela terá que optar pelo maior valor e receberá apenas uma pequena parte do outro benefício. Continua, após o anúncio.

Professores e policiais

 Docentes saem bastante prejudicados, pois terão idade mínima mais alta e, para obter aposentadoria integral, projeto original do governo prevê 40 anos de sala de aula. No caso dos policiais, há uma articulação maior dos governistas para melhorar a proposta, embora nada esteja garantido. Continua, após o anúncio.

Alíquotas

No caso do INSS, a nova regra prevê alíquotas que variam de 7,5% a 14%, distribuídas em faixas salariais. Para o funcionalismo público, a alíquota pode chegar a 22%. 

Mais recentes: