Previdência | Profª da UFRJ mostra os graves prejuízos que a reforma trará para as mulheres! Veja...

Benefício menor e idade mais alta para ir para casa.
Benefício menor e idade mais alta para ir para casa.

Prejuízos são enormes para o setor feminino

Categoria: Economia | A professora de economia Denise Gentil — da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) — mostra os graves prejuízos que a reforma da previdência traz às mulheres. O projeto do governo Bolsonaro — explica a especialista — é péssimo para os trabalhadores em geral e pior ainda para o setor feminino.

Diminuição do benefício

Hoje, com 15 anos de contribuição e 60 anos de idade, a mulher recebe 85% do valor do benefício, calculado com base nos 80% melhores salários. Se a reforma for aprovada, elas receberão apenas 60% do valor do benefício, que será calculado com base em todas as contribuições, inclusive os primeiros e mais baixos salários. 

Leia também: Governo cria fórmula para cortar quase a metade dos servidores públicos do país!

Continua, após o anúncio.

Aumento do tempo de contribuição

O texto encaminhado ao Congresso Nacional por Jair Bolsonaro (PSL) aumenta o tempo mínimo de contribuição de 15 para 20 anos e impõe a obrigatoriedade de idade mínima de 62 anos para a mulher requerer a aposentadoria. No caso das professorass, que hoje podem se aposentar aos 50, proposta de reforma inclui dez anos a mais.

Ir para casa só aos 74 anos

O resultado da equação do mal de Bolsonaro e do seu ministro da Economia, o banqueiro Paulo Guedes, é trágico para a maioria das mulheres. Segundo cálculos da professora de economia Denise Gentil, se a reforma passar a maioria das mulheres só se aposentará se completar no mínimo 74 anos de idade. Continua, após o anúncio.

Explicação

A economista explica que essa idade de 74 anos ocorrerá porque a maioria das mulheres fica mais tempo fora do mercado de trabalho. Por isso, elas não conseguirão cumprir os pré-requisitos que constam na reforma antes de atingirem mais de sete décadas de vida. 

Quem chegará a esse tempo com fôlego para trabalhar? Uma professora? Uma empregada do comércio? Uma mulher do campo? Quem?

Com informações de: CUT Nacional

Mais recentes: