Fim do 'Socialismo' | Demanda cresce, mas orçamento do MEC regride! Veja...

Educação | Dinheiro previsto para 2020 será insuficiente para manter escolas da educação básica e universidades públicas. Até merenda escolar pode faltar.

COMPARTILHE!

Ministro Abraham Weintraub. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil.
Ministro Abraham Weintraub. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil.

Previsão de orçamento do MEC para 2020 é uma bomba para o setor educacional público do país. Valor previsto regride a 2010 e não corrige sequer a inflação dos últimos dez anos, o que pode fazer com que despesas básicas dos estabelecimentos de ensino sejam muito prejudicadas. Especialistas apontam que alunos correm o sério risco de ficar até sem o transporte escolar e o lanche do dia a dia, e que universidades fechem as portas por falta de pagamento de água e luz. O presidente Bolsonaro e o seu ministro da Educação Abraham Weintraub chamam alegremente isto de "fim do Socialismo". Continua, após o anúncio.

Volta a 2010

Segundo levantamento feito por Humberto Costa — líder do PT no Senado — o governo Bolsonaro propõe investir em 2020 R$ 15,73 bilhões no MEC para custear despesas básicas com energia, alimentação, transporte, segurança etc. Este valor é quase idêntico ao que foi gasto em 2010R$ 15,33 bilhões

O problema é que a inflação somada de 2010 até ao que já está previsto para 2020 (5,25%) chega a 62,95%. Ou seja, os custos básicos com tudo cresceram também. Logo, o MEC no mínimo deveria estimar um orçamento para 2020 em cerca de R$ 25 milhões para custeio de despesas do dia a dia. Continua, após o anúncio.

Era PT

Os investimentos no MEC na chamada "era PT" cresceram bastante. Com isso, o país saltou de 45 universidades públicas em 148 campi, em 2003, para 63 universidades em 321 campi, em 2014. No começo do governo Lula, 500,4 mil universitários estavam matriculados na graduação. Em 2014, o número chegou a 932,2 mil.

Piso dos professores

Muito também foi investido na Educação Básica nos governos Lula e Dilma. Isto gerou um incremento no custo-aluno e aumento real no piso nacional dos professores. Em 2012, por exemplo, o piso do magistério teve reajuste de 22,22%, enquanto a inflação oficial do governo em 2011 foi de 6,50%. Ganho real: 15.72.

Bolsonaro e seu ministro Weintraub dizem que esses avanços promovidos por Lula e Dilma representam o "Socialismo". Por isto, devem acabar.

Com informações de: Rede Brasil Atual.

Mais recentes sobre Educação:

Mais recentes do site: