Fraude | Novas mensagens mostram que Moro agiu para prejudicar eleição de Haddad em 2018! Veja...

Ex-juiz Moro foi agraciado com cargo de ministro por Bolsonaro após atrapalhar campanha de Fernando Haddad (PT) em 2018. Foto: Carolina Antunes/PR/Agência Brasil.
Ex-juiz Moro foi agraciado com cargo de ministro por Bolsonaro após atrapalhar campanha de Fernando Haddad (PT) em 2018. Foto: Carolina Antunes/PR/Agência Brasil.

Trapaças de Moro, confirmadas agora, já eram de domínio público.

Categoria: MOROGATE | Todo mundo já sabia que as eleições de 2018 foram fraudadas para impedir que Fernando Haddad (PT) fosse o vencedor. Pleito foi organizado para que Jair Bolsonaro se elegesse presidente. Já era de conhecimento de todos também que o ex-juiz Sérgio Moro e procuradores da Lava Jato tiveram papel de destaque em tal fraude. Continua, após o anúncio.

Mensagens divulgadas hoje (29) pela Folha de S.Paulo e The Intercept Brasil confirmam essa trapaça de Moro, Dallagnol e Cia. Matéria a esse respeito publicada na Folha diz logo no primeiro parágrafo que: "Considerações políticas influenciaram a decisão do então juiz Sergio Moro de divulgar parte da delação do ex-ministro Antonio Palocci a seis dias do primeiro turno da eleição presidencial do ano passado."

Nem Moro acreditava no Palocci

As mensagens divulgadas pela Folha e The Intercept mostram que nem Moro e os procuradores da Lava Jato acreditavam na delação de Palocci. Depoimento só foi aceito e divulgado para prejudicar a campanha de Haddad e dar mais força a Bolsonaro que, àquela altura, sonhava em ganhar as eleições ainda no primeiro turno. Diz a Folha:

"Os diálogos, obtidos pelo The Intercept Brasil e analisados pela Folha junto com o site, indicam que Moro tinha dúvidas sobre as provas apresentadas por Palocci, mas achava sua colaboração relevante mesmo assim por representar uma quebra dos vínculos que uniam os petistas desde o início das investigações." Continua, após o anúncio.

Ou seja, o ex-juiz paladino da moralidade agiu por interesses meramente politico-partidários.

Estardalhaço na mídia e...

Após Moro autorizar a divulgação do depoimento de Palocci contra o PT, em 1º de outubro, a grande mídia — incluindo a própria Folha de S.Paulo — fez um estardalhaço em torno do assunto, com o objetivo de queimar Fernando Haddad e favorecer o capitão. Diz a Folha:

"No dia 1º, o assunto ocupou quase nove minutos do Jornal Nacional, da TV Globo. A reportagem citou duas vezes a ligação do ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli com a campanha do então candidato presidencial do PT, Fernando Haddad, que aparecia em segundo lugar na corrida eleitoral, bem atrás do favorito, Jair Bolsonaro (PSL)." Continua, após o anúncio.

"Nos dias seguintes, a delação de Palocci foi noticiada com destaque pela Folha e por outros jornais e ganhou visibilidade na propaganda eleitoral no rádio e na televisão."

...prêmio a Moro

A fraude deu certo. Bolsonaro ganhou as eleições e Sérgio Moro se afastou em seguida do cargo de juiz para assumir o posto de ministro da Justiça. E há ainda a promessa feita pelo capitão de que poderá vir a se tornar ministro do STF.

Mais recentes: