Farsa | Folha e Intercept mostram que delação que levou Lula à cadeia foi toda fabricada na Lava Jato! Veja...

Glenn Greenwald é respeitado em todo o mundo.

Categoria: MOROGATE | Nova matéria publicada hoje (30) na Folha de S.Paulo mostra que a delação que levou Lula à cadeia foi na verdade fabricada pela Lava-Jato. Postagem é também assinada por membros do The Intercept Brasil e trata de Léo Pinheiro, presidente da OAS e delator que incriminou Lula.

O material oferecido pelo jornalista Glenn Greenwald publicado na Folha revela que os procuradores da Lava Jato não acreditavam em Léo Pinheiro. O crédito só veio após ele mudar de versão várias vezes sobre o triplex do Guarujá para incriminar Lula. Foi tudo uma trama montada para dar ao ex-juiz Sérgio Moro um álibi para levar Lula à cadeia.

Publicidade

Folha

Relata a Folha que:

"Sobre o Lula eles não queriam trazer nem o apt. Guaruja", escreveu o promotor Sérgio Bruno Cabral Fernandes a outros integrantes da equipe que negociou com os advogados da OAS em agosto de 2016, numa discussão sobre a delação no aplicativo Telegram. "Diziam q não tinha crime."

Léo Pinheiro só apresentou a versão que incriminou Lula em abril de 2017, mais de um ano depois do início das negociações com a Lava Jato, quando foi interrogado pelo então juiz Sergio Moro no processo do tríplex e disse que a reforma do apartamento era parte dos acertos que fizera com o PT para garantir contratos da OAS com a Petrobras. Continua, após o anúncio.

Conta inexistente

Matéria da Folha fala também da suposta conta clandestina que a OAS disse ter criado para favorecer Lula. Tal episódio vazou para a Revista Veja e irritou os procuradores da Lava Jato:

As mensagens obtidas pelo Intercept mostram que os procuradores ficaram furiosos com o vazamento, especialmente porque não havia nos relatos da empresa nenhuma menção à conta. "Nunca falaram de conta", afirmou Sérgio Bruno aos colegas.

O golpe final

Diz ainda a Folha que

Em seu depoimento, em 24 de abril [de 2017], o empreiteiro [Léo Pinheiro, já preso] afirmou que tinha uma conta informal para administrar acertos com o PT, introduzindo pela primeira vez o tema em sua versão. Além disso, acusou Lula de orientá-lo a destruir provas de sua relação com o partido após o início da Lava Jato. Continua, após o anúncio.

O depoimento foi decisivo para o desfecho do caso do tríplex, porque permitiu a Moro criar seu álibi para prender Lula apenas com base num delator que nem mesmo alguns procuradores da Lava Jato acreditavam. 

Não à toa, a procuradora Jerusa Viecili escreveu aos colegas na época: "Leo parece que está escondendo fatos também."  "Ela achava estranho o fato de que ninguém nunca falara em destruição de provas antes do empreiteiro." 

Prêmio

Após delatar Lula: "O Ministério Público pediu a Moro que reduzisse pela metade a pena do empreiteiro [Léo Pinheiro] no caso do tríplex, como prêmio pela colaboração no processo. Em julho [de 2017], o juiz o condenou a 10 anos e 8 meses de prisão, mas o autorizou a sair quando completasse 2 anos e 6 meses atrás das grades.

Mais recentes: