Servidores | Quem entrou após 2003 ficará com salários congelados e sem direito a provento integral! Veja...

Servidores devem se mobilizar para barrar reforma no Senado e evitar congelamento e achatamento salarial.

Categoria: Economia | A reforma da Previdência proposta por Bolsonaro foi aprovada na Câmara e mantém uma bomba para os servidores públicos, em particular contra os que ingressaram após 31 de dezembro de 2003. Estes não terão direito à paridade nem à integralidade. Categoria tem agora mais um bom motivo para se engajar nas lutas que ocorrerão para que a reforma não se consolide no Senado.

Paridade

A paridade garante que um aposentado tenha o mesmo reajuste salarial concedido aos da ativa. Exemplo: se o presidente da república, prefeito ou governador assinar aumento de 10% para quem ainda não se aposentou, os aposentados terão direito ao mesmo percentual (10%) de correção. Com a regra mantida por Bolsonaro, isto não existe. Os gestores não serão obrigados a dar aumentos para os aposentados. A gravíssima consequência disso é que, a curto prazo, o salário do aposentado vai minguar até próximo de sumir. Continua, após o anúncio.

Integralidade

A integralidade é o direito de o servidor se aposentar com o último salário recebido. Exemplo: se no mês em que o funcionário se aposentou seu salário era R$ 3 mil, como aposentado terá direito a esse mesmo vencimento, inclusive com reajustes, caso tenha ingressado no serviço público até 31 de dezembro de 2003. 

A proposta que Bolsonaro e seus aliados no Congresso apoiam se baseia numa média de vários anos de salários do funcionário que vai se aposentar. Essa média é que passará a ser o salário do inativo. Isto também massacra os aposentados que ingressaram após 2003, pois a média será tirada com a soma do último salário (mais alto) e salários de muitos anos anteriores (mais baixos). No final, vai dar sempre um valor muito menor que o último salário recebido.

Mais recentes: