Mau exemplo | Lava Jato tenta destruir provas em inquérito, diz delegado da PF! Veja...

Justiça | Caso envolve mensagens de Whatsapp e depoimento de doleira, aponta matéria da Folha.

COMPARTILHE!

Deltan Dallagnol, Sérgio Moro e outros ícones da operação Lava Jato. Moro se destacou tanto ao mandar prender Lula que até cargo de ministro ganhou do presidente Bolsonaro.
Deltan Dallagnol, Sérgio Moro e outros ícones da operação Lava Jato. Moro se destacou tanto ao mandar prender Lula que até cargo de ministro ganhou do presidente Bolsonaro.

A Lava Jato cada vez mais cai no descrédito em todo o país. Desde que o The Intercept Brasil começou a mostrar os bastidores da operação, o mundo viu que Moro, Dallagnol & cia não são tão certinhos como mostram setores da grande mídia, em particular as organizações Globo. Em matéria publicada hoje (30) na Folha de S.Paulo, um delegado da PF diz que a força-tarefa chegou ao ponto de tentar destruir provas em inquérito. Um mau exemplo, portanto. Continua, após o anúncio.

Documento

"A defesa de Mario Renato Castanheira Fanton, delegado da Polícia Federal denunciado sob acusação de vazar informações sigilosas, apresentou à Justiça um documento com mensagens que sugerem tentativa de destruição de provas da Lava Jato por colegas que atuaram na operação."

"São anexadas capturas de tela de Whatsapp que a defesa diz ser de um conflito que ocorreu em 2015 entre Fanton e outro delegado, Maurício Moscardi Grillo, a respeito do assunto." Continua, após o anúncio.

"Nas mensagens atribuídas a Moscardi, ele pede a Fanton para que um depoimento da doleira Nelma Kodama não seja anexado em um inquérito que investigava policiais desafetos da operação."

Quem ainda acredita nessa operação Lava Jato?

Mais recentes sobre justiça:

Mais recentes do site: