Até militares levaram choque elétrico nos quibas durante a ditadura! Veja...

Nem crianças e idosos eram poupados

Categoria: Ditadura | É ariado quem pensa que a ditadura militar no Brasil (1964-1985) deu pancada e matou apenas civis de esquerda. Fartos documentários que circulam pela mídia revelam que o regime de terror defendido pelo presidente Bolsonaro deu choque elétrico até nos quibas de militares. Isto mesmo, nem mesmo os milicos foram poupados das taras de torturadores e assassinos como o coronel Brilhante Ustra, ídolo da morte que o capitão e sua família querem festejar no dia 31 de março.

Choque nos quibas era considerado tortura leva perto de outras atrocidades cometidas contra seres humanos durante esse período militar. Nem crianças e idosos eram poupados. Relato publicado na Folha de S.Paulo (24) diz que o tenente da PM José Ferreira de Almeida (1911-1975) foi selvagemente torturado nos porões do DOI CODI, na capital paulista. Veja, após anúncio:

"Introduziram no ânus um cabo de vassoura, quebrando na ponta e perfuraram todo o intestino. Morreu sem o corpo deixar nenhum vestígio, nenhum hematoma, nada. [...] E esse caso ficou praticamente desconhecido da história dos presos políticos."

Para enganar a população, autoridades militares na época disseram que José Ferreira tinha se suicidado. Era um regime de terror movido a muitas petas.


Dicionário do Povão: Quibas é o mesmo que testículos. Ariado é desnorteado. E peta é mentira.