Tristeza | Acabar dedução no IR em troca de R$ 45 de abono é absurdo, diz eleitora de Bolsonaro! Veja...

l.
l.

Segundo se depreende de matéria do Globo, projeto do governo é bem pior do que a eleitora bolsonarista conseguiu perceber.

Categoria: Economia | Pelo Facebook, uma eleitora de Jair Bolsonaro — conforme se vê em print logo abaixo — diz não acreditar que o presidente queira acabar com a dedução por dependente no Imposto de Renda (IR) e, em troca, dar como compensação um abono de R$ 45,00. Tema foi manchete de capa  (1) no site do Globo. A moça aparenta ter finanças e perfil de classe média, setor que mais se beneficia com esse tipo de dedução. Veja a declaração, após o anúncio.

Veja!

Continua, após o anúncio.

É pior do que ela imagina

Na verdade, segundo o que consta na matéria de hoje (1) do Globo, projeto é bem pior do que a eleitora de Jair Bolsonaro está percebendo. Além de extinguir a dedução por dependente no Imposto de Renda, governo quer também acabar o salário-família e restringir ainda mais o abono salarial para quem ganha hoje até dois mínimos.

Ampliar Bolsa Família

Segundo O jornalão dos Marinhos, Bolsonaro quer acabar deduções no IR e o salário-família para ampliar número de beneficiários do Bolsa Família, que passaria de 80 milhões para 92 milhões, ou seja, um crescimento de 12 milhões de pessoas. Continua, após o anúncio.

Por que não tira dinheiro dos bancos?

O governo querer ampliar o Bolsa Família é algo louvável. Agora, fazer isso metendo a faca na classe média e cortando o salário-família é no mínimo uma traição aos eleitores do presidente. Segundo pesquisas de opinião, os bolsonaristas tem o perfil econômico que mais se beneficia das tais deduções. O correto seria não mexer nesse setor e ir atrás dos altos lucros dos bancos para crescer os programas sociais, como o próprio Bolsa Família.

Segundo matéria do UOL (08/08/2019): "Itaú Unibanco, Bradesco, Santander e Banco do Brasil lucraram, juntos, R$ 20,474 bilhões no segundo trimestre deste ano, um aumento de 8,3% em relação ao trimestre anterior e de 21,3% na comparação com o mesmo período do ano passado."

Acompanhe nossas redes sociais e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes: