Desemprego | Mais de 24 milhões no Brasil fazem bicos para sobreviver, diz pesquisa do IBGE! Veja...

l.
l.

É o maior contingente da série histórica iniciada em 2012 e que se agravou com as políticas recessivas de Michel Temer e Jair Bolsonaro.

Categoria: ECONOMIA | O número é estarrecedor e sem graça nenhuma. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgados no último dia 30 de agosto pelo IBGE24,2 milhões de trabalhadores vivem atualmente de bicos no Brasil. É o maior contingente da série histórica iniciada em 2012 e foi ampliado pela crise instalada no Brasil a partir do golpe de Estado que derrubou a presidenta Dilma em 2016, prendeu Lula em 2018 e levou Jair Bolsonaro à presidência da república. Continua, após o anúncio.

Comemoração

O aumento recorde da informalidade, emprego sem carteira assinada e por conta própria, sem direitos, é motivo de comemoração por parte do governo Bolsonaro e mídia burguesa, como Folha, Globo e Estadão. A alegria é porque a precarização do trabalho ou o recurso a bicos derrubou a taxa de desemprego de 12,5% para 11,8% entre os trimestres encerrados em abril e julho. Apesar da queda, diz também a pesquisa do IBGE, o desemprego ainda atinge 12,6 milhões de trabalhadores e trabalhadoras. Continua, após o anúncio.

No período pesquisado pelo Instituto, 35,9 milhões de trabalhadores recorreram à informalidade para conseguir algum tipo de renda para sobreviver e sustentar a família. Deste total, 11,7 milhões estão trabalhando no setor privado sem carteira assinada, o maior contingente da série histórica iniciada em 2012. E os outros 24,2 milhões de trabalhadores estão a viver de bicos.

Com informações de: CUT Nacional

Mais recentes: