Ódio de classe | Criminosos da Lava Jato só se corrigirão se o povo for para cima deles! Veja...

Eles atuam com base em interesses de classe. São capachos da burguesia, treinados para odiar quem tem origem na classe trabalhadora.

Categoria: MOROGATE | Os novos diálogos revelados hoje (27) pelo The Intercept — em parceria com o UOL e outros veículos de comunicação —revelam o lado mais monstruoso dos integrantes da Lava Jato. Como cães raivosos treinados pela burguesia, eles vomitam ódio por todos os poros e orifícios contra Lula e seus familiares. Mensagens mostram os mesmos desdenhando das mortes da ex-primeira dama — Dona Marisa Letícia —, e do netinho e irmão do ex-presidente, Arthur e Vavá, respectivamente. Com frieza e ironias chulas, próprias de psicopatas, zombam e se deliciam com a dor de Lula. Uns criminosos que apenas o povo deterá.

Eles odeiam o povo...

Nenhum lei vigente deterá a sanha anti povo desses criminosos. Eles se movem por interesses de classe e foram treinados pela burguesia para odiar quem tem origem na classe trabalhadora. Moro, Deltan, Carlos Fernando, Laura Tessler & Cia detestam Lula porque ele veio do meio explorado da população mais miserável do país. 

Eles passam mal toda vez que chegam em um aeroporto e veem alguém que consideram pobre na fila de espera. Eles não toleram saber que um filho do povo conseguiu chegar à universidade e se formou em medicina. Eles não aceitam que uma empregada doméstica tenha direitos. Por isso o ódio a Lula e seus familiares. Os lavajateiros consideram crimes as políticas sociais que o ex-presidente implementou no país. Continua, após o anúncio.

... mas o povo os deterá

Mesmo com todo o ódio e poder que têm, os lavajeteiros não são indestrutíveis. Se a maioria do povo explorado compreender que Moro, Deltan & cia na verdade nunca combateram corrupção e sim buscaram defender seus próprios e mesquinhos interesses e os dos seus patrões, eles caem sem dúvidas. O povo, portanto, os deterá. É questão de tempo. Enquanto isso, nada impede que sejam denunciados nos próprios tribunais que ocupam.

Acompanhe nossas redes sociais e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes: